Comunicados de imprensa

Activo do Grupo José de Mello cresce 39% em 2000

16/05/01

A José de Mello, SGPS, SA encerrou o exercício de 2000 com uma melhoria assinalável dos principais indicadores.

O activo consolidado do Grupo José de Mello registou, no exercício de 2000, um crescimento de 39%, passando de 251 milhões de contos no final de 1999 para 349 milhões de contos no final do ano passado.

A evolução do activo consolidado ficou a dever-se essencialmente ao acordo de fusão entre a área financeira do Grupo José de Mello (Banco Mello e Companhia de Seguros Império) com o Banco Comercial Português, do qual resultou uma participação de cerca de 4,9% no BCP, por um lado, e ao reforço da posição na Brisa, através da José de Mello Investimentos, que passou de 3,2% para cerca de 7%, por outro.

Deste modo, e em resultado de um aumento de capital de 14 para 34 milhões de contos, os capitais próprios consolidados do Grupo José de Mello ascenderam, no final de 2000, a cerca de 60 milhões de contos, o que representou um reforço da ordem dos 60%.

Quanto aos proveitos consolidados, apresentaram igualmente um crescimento substancial face ao ano anterior, da ordem dos 50%, atingindo o montante de 165,4 milhões de contos.

Goodwill amortizado em 21,4 milhões de contos

Ao alterar a composição do balanço da José de Mello, SGPS, SA, o acordo celebrado com o Banco Comercial Português permitiu também que o resultado atingido no exercício de 2000 fosse orientado, quase na totalidade, para uma operação de amortização integral do goodwill, que ascendeu a 21,4 milhões de contos. Após esta operação, os resultados líquidos apurados situaram-se, no final do ano passado, em 240 mil contos.

Segundo Vasco de Mello, presidente da comissão executiva da José de Mello, SGPS, SA, “a decisão de amortizar integralmente o goodwill num único exercício é resultado de uma alteração da política contabilística adoptada no registo de diferenças de consolidação e cria as condições necessárias para a obtenção de excelentes resultados nos próximos exercícios”.

Holding reforça comissão executiva

A actividade do exercício de 2000 ficou também marcada pela alienação do negócio de reparação naval concentrado na Lisnave e pelo desenvolvimento sustentado dos negócios nos sectores da saúde (José de Mello Saúde), indústria química (CUF), transportes marítimos (Soponata) e produção de energia (Finertec).

Igualmente marcante na actividade do Grupo José de Mello no exercício de 2000 foi a constituição de duas novas holdings para as áreas das novas tecnologias (Adamastor Capital) e soluções residenciais para a terceira idade (José de Mello Residências e Serviços).

Já no decorrer deste ano, a comissão executiva da José de Mello, SGPS, SA foi reforçada de três para cinco membros, passando a contar com Vasco de Mello e João de Mello, que se juntaram assim a Pedro de Mello, Salvador de Mello e Pedro Rocha e Melo.

Com esta alteração na composição do órgão delegado do conselho de administração, Vasco de Mello passou a acumular a presidência da comissão executiva da holding José de Mello com as funções de administrador da Brisa.